28 de setembro de 2009

Trechos de Livros: O Espírito do Mal & A Entidade

Retirado do livro: O Espírito do Mal
de Willian Peter Blatty

Morte, não sejas orgulhosa, embora alguns te chamem de poderosa e terrível, pois tal não és. Pois não morrerão, pobre morte, aqueles a quem deves derrubar; nem a mim podes ainda matar. Do sono e repouso, que em tuas imagens existem, muito prazer se tira, muito mais de ti há de fluir, e nossos melhores homens em breve partirão, na tua companhia, os ossos descansando, as almas libertando!
São escravos do destino, acaso, reis e homens desesperados, convivem com o veneno, a guerra e a doença; as drogas e encantamentos podem nos fazer dormir tão bem, melhor que teu próprio golpe. Por que então temer? Um curto sono passa e despertamos na eternidade, a morte não mais existe: Morte, tu hás de morrer!

Toque-me. É tão fácil me deixar
Aqui sozinho com memória
Dos dias que passei ao sol.

Há uma doutrina escrita em segredo de que o homem é um prisioneiro que não tem o direito de abrir a porta e fugir; este é um mistério que não posso compreender. Contudo, acredito também que os deuses são nossos guardiões e que nós, homens, somos posses deles.
Platão

O maior acontecimento na história da Terra, agora ocorrendo, pode ser na verdade a descoberta gradativa, pelos que tem olhos para ver, não apenas de Alguma Coisa, mas de A Coisa, no ápice criado pela convergência do Universo evoluindo sobre si mesmo... há apenas um mal: a desunião.
Pierre Teilhard de Chardin

Trecho do livro: A Entidade
de Frank de Felitta

O tempo passa como o vento. Em determinado momento, somos jovens e temos medo do escuro; de uma hora para outra, somos adultos e a escuridão permanece conosco. Nenhum adulto conseguirá acalmar-nos com histórias e meias verdades. Não obstante, alguma vez saímos realmente dessa escuridão? Em algum instante somos realmente livres?

Nenhum comentário: