12 de março de 2012

Desistir?

Por Fernando Luz

Se não temos tempo e disposição nem para a academia três vezes por semana, por que gastar escassos recursos com um emprego que não vai para a frente?

“Quem desiste é perdedor”. Você já deve ter ouvido isso. Não com essas palavras, é provável. Mas um: “desistir jamais” na traseira dum caminhão, num livro de auto-ajuda ou na boca da sua tia menos legal. Eu não gosto de ser do contra, mas preciso dizer: Quem desiste não é perdedor coisíssima nenhuma.

Seth Godin é um desses caras que você lê um post no blog, ou duas páginas num livro e acha sensacional. Parece que ele pensa como você, só que com dez anos a mais de experiência – e consequente maturidade. A teoria do “desistir é bom” eu chupei de um livro dele chamado O Melhor Do Mundo.

Nesse livro, Seth fala algo que você já sabe: desistir porque está muito difícil é bobagem. E outra coisa que também deve saber, mas não dá muita atenção: se você está num projeto que não tem como evoluir independente do que você faça, desistir é uma ótima ideia.

E isso vale para (praticamente) tudo. Uma carreira, uma empresa, um livro, um hobby, um relacionamento, um projeto, ou até um . . . . . . . . . . . . (escreva na linha pontilhada aquilo que você está pensando).

Talvez no mais clássico de seus livros – Marketing de Permissão – o mesmo Seth Godin fala (dentre muitas outras coisas) sobre a escassez do tempo e disposição gerada graças à revolução tecnológica.

O que ele quer dizer é que, se a gente não tem tempo e disposição nem pra ir pra academia três vezes por semana, por que deveríamos gastar nossos escassos recursos com um emprego que não vai pra frente, ou num relacionamento fadado ao fracasso?

Falta de coragem para desistir. Eis o motivo.

Vou contar uma história.

Há sete anos, Augusto joga tênis, mas até hoje não ficou bom. De vez em quando, ele até ganha uma partida. Mas só quando o adversário tem mais de 60, ou menos de 15 anos.

O que isso significa?

Significa que ele é mediano. E se quiser ser excelente em algum esporte, o que precisa fazer é desistir do tênis e tentar outra coisa. Ping pong, por exemplo.

A nossa sociedade desvaloriza os desistentes, mas desistir é a única forma de canalizar recursos para realizar outro projeto com maiores chances de sucesso.

Claro que ninguém está aqui recomendando que você desista das coisas por contas dos problemas que vai enfrentar. É exatamente o contrário, aliás. Enquanto existir batalhas, há chances de vitórias. O problema é quando:

1. Não há desafios;

2. Você não tem talento suficiente para superar os desafios – e isso exige autoconhecimento.

O livro “O Melhor do Mundo” do Seth Godin e esse texto têm o mesmo objetivo: incentivar você a desistir de tudo que não te faz um profissional ou (por que não?) uma pessoa melhor.

Claro que isso só é válido para quem deseja ser excelente no que faz. E é exatamente por isso que serve para você. Afinal, se esse não fosse seu desejo, você nem teria lido esse artigo inteiro.


[Webinsider]

Um comentário:

Buscando o Incerto disse...

Tive o prazer de achar esse blog em um post que fala de uma coisa particularmente ativa em minha atual fase, DESISTIR.

Peço a permissão para deixar meu comentário e de partilhar um trecho lido em meu blog, alias um blog do meu pensamento.

buscandooincerto.blogspot.com