11 de abril de 2011

O Fantasma do Futuro

Ghost in the Shell [Kokaku Kidotai]

Em 2029, as ligações directas da mente humana à rede informática tornaram-se algo de banal, tal como a cibernética que permite a substituição de partes de corpos humanos, a utilização de um cérebro humano integrado num corpo diferente, parcial ou totalmente artificial, ou mesmo a utilização de cérebros artificiais, preenchidos com um “espírito” duplicado. Os crimes mais perigosos estão relacionados com a violação (“hacking”) do “espírito”, para os mais diversos fins, nomeadamente para o desvio de fundos. Um indivíduo pode assim ser transformado numa verdadeira marionete a serviço de um mestre criminoso que lhe atribui memórias artificiais, enquanto o usa para a prossecução dos seus objectivos. Na Hong Kong do futuro (sob administração japonesa?), foram criados departamentos especiais da polícia para o combate a esses crimes, alguns dos quais recorrem a meios à margem da lei, não assumidos oficialmente pelo governo. Um novo criminoso anda à solta na rede, sendo conhecido por “Mestre das Marionetas”, devido à facilidade com que ganha controle de inúmeras “conchas”, para cometer crimes, como manipulação do mercado bolsista, espionagem ou terrorismo. A Secção 9, liderada por Kusanagi Motoko (Tanaka), conhecida como “Major”, segue o seu rasto.

O argumento de «Kokaku Kidotai» é mais denso do que complexo, uma vez que há uma série de relações perceptíveis entre interesses políticos e os acontecimentos que presenciamos, só que a narrativa desenrola-se num espaço de 80 e poucos minutos, contendo material para um filme de duas horas e ainda há tempo para uma bela sequência, em jeito de promoção da excelente banda sonora de Kawai Kenji, destinada a capturar alguns momentos de introspecção da personagem de Motoko. É um daqueles filmes que exige muita atenção por parte do espectador, não sendo de todo recomendável o visionamento a altas horas da noite. Talvez seja mais proveitoso deixar a completa apreciação de todos os enlaces e pormenores tecnico-cibernéticos para uma segunda ou terceira visita à obra de Oshi.

No cerne do filme temos uma intriga política entre diferentes secções da polícia, uma ligada mais diretamente ao governo e a outra dependente do Ministério dos Negócios Estrangeiros, além da entrada em cena de representantes duma república asiática, que se afirma uma jovem democracia e parece mais interessada em dar guarida a piratas do cyberespaço. Surge então o Mestre das Marionetas, que inicialmente se julga ser um hacker americano.

Apesar da acção ser praticamente irrelevante no conjunto do argumento, o filme contém algumas sequências movimentadas muito bem realizadas do ponto de vista artístico. Tudo aqui é criteriosamente trabalhado, desde a animação propriamente dita, à iluminação, à montagem e aos efeitos sonoros. Não estamos definitivamente perante um “filme de acção”; os temas centrais de «Ghost in the Shell» são a preservação da identidade humana num mundo em que a maior parte dos indivíduos já tem pouco de orgânico e a possibilidade de se manter a individualidade quando o cérebro (a alma) é uma criação informática, manipulada, ou uma duplicação das emoções e memórias de outra pessoa. É sobre a alma e a consciência, quando o conteúdo do cérebro humano puder ser totalmente convertido em impulsos eléctricos e transmitido através de uma rede informática, duplicado ou alterado, e transferido para outro corpo. Poderão conviver dois “espíritos” num mesmo corpo? A partir daqui é fácil de conceber a existência de um ser que vive sem precisar de uma existência física, um ser que vive numa rede informática, transferindo-se de corpo para corpo, da mesma forma que se movimenta de computador para computador. Outra das perguntas-chave é: um ser que parta para a Rede e que abandone o seu corpo ou um programa informático que ganhe auto-consciência e integre memórias de outros “espíritos”, recolhidas ao longo da sua vida, em que medida é que se assemelhará àquilo que nós definimos como um ser humano?

Os temas da humanidade de seres artificiais foram abordados com alguma frequência na literatura e no cinema, como no clássico «Blade Runner», de Scott ou no mais recente «A.I.» de Spielberg, talvez demasiado preocupado em ser “bonito” e ter impacto melodramático, para poder explorar realmente bem o tema. No que toca a animé, em 2001, Rintaro revisitou «Metropolis», apresentando, uma vez mais, uma máquina que deseja a humanidade, revoltando-se contra as linhas de código que lhe comandam o cérebro. O filme de Oshii, baseado na manga de Shirow Masamune, é um produto sem falhas a apontar, construído meticulosamente de raiz, sem um milímetro de filme desperdiçado com futilidades ou concessões, e que recebeu aplausos unânimes da crítica e de cineastas como James Cameron, tendo tido influência considerável em filmes como «The Matrix».


«Ghost in the Shell» conta com uma excelente banda sonora de Kawai Kenji e com um hipnótico tema musical, interpretado por Higuchi Saeko e revisitado várias vezes durante o filme. O design de personagens tem a assinatura de Okiura Hiroyuki, realizador de «Jin Roh».

Este "anime-movie" foi levado ao público brasileiro com o nome de "O Fantasma do Futuro", e surgiu de um mangá homônimo criado por Masamune Shirow e lançado entre os anos de 1989 e 1990 (mas existem algumas diferenças entre o anime e o mangá), além de ser uma das poucas obras que podem ser encontradas em locadoras brasileiras. A versão do "movie" foi produzida em 1995 pelos Studios I.G e dirigida, de forma independente, pelo genial Oshii Mamoru.

E dele surgiu ainda Ghost in the Shell: Stand Alone Complex, com 52 episódios, produzidos pela IG em 2002, e esta história transcorre num universo paralelo, onde a Major Kusanagi jamais se encontra com o Puppet Master. Como uma consideração final: se não gostaram do "movie" ou ficaram cheios de perguntas, sugiro que leiam o mangá. É bastante interessante e esclarece muito sobre a história. Inclusive partes que foram censuradas, por exibir um certo "lesbianismo" explícito como uma possibilidade cibernética; e outras coisas que, digamos, entrariam em confronto religioso, como as constantes comparações com Deus (na hora da criação do homem ou atingir a perfeição de Deus). Mais uma informação: o "Kusanagi", usado como nome de um dos personagens, tem uma referência mitológica: Kusanagi é o segundo nome da espada retirada de Orochi (Kusanagi no Tsurugi), que foi presenteada ao neto da deusa Amaterasu (Deusa do Sol), Niniji. Este, por sua vez, se tornou o avô do Imperador Jinmu, o Primeiro Imperador do Japão.


Abram suas mentes ao assistir a Ghost in the Shell, e irão entendê-lo logo de cara. Do contrário, irão assisti-lo 10, 20 vezes e não encontrarão sentido algum.

fonte: www.asia.cinedie.com e www.animehaus.com.br

Nenhum comentário: