4 de fevereiro de 2009

As Sefirats

A Qabalah (ou Cabala) é chamada de Árvore da Vida (ou diagrama da Êtz Háim) porque é representada por Dez Esferas interligadas, cada qual representando um Princípio-Regente. Essas esferas-princípios são chamadas de Sefirats.
A Árvore da Vida é um diagrama que representa todas as forças e fatores atuantes no universo e na humanidade. Não existe nenhuma característica, influência ou energia que não seja suscetível de representação na Árvore. O começo, o fim e os caminhos intermediários, todos são representados. Pode-se assim ver o passado, o presente o o futuro nas Dez Sefirats e nos vinte e dois caminhos que as ligam.
A palavra Sefirat tem dois significados: um é contar, o outro é limite ou fronteira. De acordo com a Cabala, existem 10 dimensões para a nossa realidade, que são as 10 Sefirats. As Sefirats funcionam como canais através dos quais a Luz do Mundo Infinito chega até nós, animando o nosso universo inteiro, incluindo nossas almas.
Cada Sefirat, como um filtro, reduz sucessivamente a emanação da Luz, diminuindo gradativamente seu brilho para um nível quase imperceptível em nosso mundo físico dos cinco sentidos. Por cada Sefirat que passa, a Luz se manifesta de forma diferente, mas sem nunca mudar sua essência. É como se colocássemos um filtro colorido na luz do sol; nós a veremos azul, vermelha ou verde, mas a Luz não muda nunca, o que muda é o recipiente.
Elas também são conhecidas como atributos divinos, já que cada uma delas está relacionada a um atributo ou qualidade de Deus. Cada uma delas também se relaciona a uma parte do nosso corpo.
Esses 10 níveis ou Sefirats são: Kether, Chokmah, Bimah, Chesed, Geburah, Tipheret, Netzach, Hod, Yesod e Malkuth. As Sefirats Chesed, Geburah, Tipheret, Netzach, Hod e Yesod estão compactadas em uma dimensão chamada Zeir Anpin como um todo unificado. Toda a Luz que recebemos em nosso mundo físico de Malkuth é derivada de Zeir Anpin.
Curiosamente, os cientistas do final do século 20 revelaram uma estranha visão do nosso universo com o advento da Teoria da Supercorda, que é uma tentativa de unificar a teoria da relatividade de Einstein com a mecânica quântica.
De acordo com a teoria, todas as partículas subatômicas são na verdade diferentes ressonâncias de minúsculas supercordas vibrantes, muito parecidas com as diferentes notas musicais que podem emanar de uma única corda de violão. A Teoria das Supercordas sustenta ainda que nosso universo deve conter 10 dimensões de modo que possa se conciliar com a teoria da relatividade de Einstein, considerando a força da gravidade.
Graças à evolução da ciência e da tecnologia, os cientistas atuais e os antigos Cabalistas concordam que a realidade existe em 10 dimensões e que 6 dimensões estão firmemente compactadas.

Nenhum comentário: